04 maio 2011

Efésios 4.7-10 - Os Dons para a Unidade

            Os vários dons ministeriais existem para fortalecer a unidade do “Corpo de Cristo”. Eles são elementos vitais ao desenvolvimento sadio da Igreja através dos membros que compõem o Corpo de Cristo. Esses elementos reforçam a unidade da Igreja. Cada membro é útil e importante no corpo e possui ao menos um dom espiritual dado por Deus (1 Co 12.1-12), e que deve ser usado para a edificação e unificação do corpo. Um membro doente ou atrofiado no corpo é um transtorno para a unidade dos outros membros. Por exemplo, quando sua garganta está infeccionada é um transtorno para o corpo inteiro e não somente para as cordas vocais ou o pescoço. Quando você está desenvolvendo o seu dom você está sendo saudável para o Corpo de Cristo.
            O que é um dom espiritual? Antes de falar sobre o dom espiritual é importante dizer que há uma diferença entre dons espirituais e habilidades naturais. Todos que nascem neste mundo recebem de Deus habilidades naturais, ou melhor dizendo com algum tipos de inteligências. Já ouviu falar do teste de QI? Ele já está ultrapassado, pois, um cientista americano chamado Howard Gardner descobriu que o cérebro não possui apenas dois tipos inteligências como imaginava Alfret Binet, o francês criador do testo QI. De fato, diferentes tipos inteligências povoam o cérebro. Antes dessa descoberta o teste de QI (Quoeficiente Intelectual) desenvolvido por Binet era baseado em apenas dois tipos de inteligências. As descobertas de Gardner puseram a abaixo o teste de QI. O francês com os recursos que possuía na época descobriu que existem dois tipos as inteligências: a verbal e a lógico-matemática. Porém, Gardner descobriu, por meio de pesquisas e recursos avançados na área de computação, que existiam oito tipos de inteligências. Duas Binet já havia descoberto, portanto ele descobriu mais seis inteligências e por último um brasileiro chamado Nilson Machado, professor da USP descobriu mais uma. Somando tudo até o momento são nove tipos inteligências entre os 14 bilhões de neurônios espalhados pelo cérebro.
            Essas inteligências são: Inteligência linguística (escritores, compositores etc.), inteligência lógico-matemática (engenheiros, físicos, matemáticos etc.), inteligência espacial (associada ao sentido da visão, arquitetos, geógrafos, fazem mapas, plantas etc.), inteligência musical (habilidades musicais), inteligência cinestésico-corporal (manifesta-se na linguagem gestual e mímica, atletas como o Ronaldo fenômeno e artistas como Tiririca), inteligência naturalista (compreensão do ambiente e paisagem natural), inteligência interpessoal (bom relacionamento com as outras pessoas), inteligência intrapessoal (pessoas que vivem bem consigo mesmas, são os autodidatas), inteligência pictórica (habilidades com desenhos e imagens). Todas essas inteligências são habilidades naturais que nascemos com elas. Em uma ou outra inteligência você já nasce com mais facilidade. Mas, todas podem ser desenvolvidas.
            Os dons espirituais também passamos a possuí-los quando nascemos. Porém, não quando nascemos fisicamente, mas quando nascemos espiritualmente. Os dons são distribuídos pelo Espírito para o desenvolvimento do Corpo de Cristo. Um dom espiritual é uma habilidade dada por Deus para servir a Ele e a outros crentes de forma que Deus seja glorificado e os crentes sejam edificados. Quais são as suas inteligências e o melhor ainda quais são os seus dons? Não importa quais são, o que realmente importa é que sejam utilizados para a honra e glória de Deus.
            O verso 7 mostra a importância e a necessidade de que cada crente trabalhe para e pela unidade do Espírito. “E a graça foi concedida a cada um de nós”. As várias manifestações da graça de Deus alcançam particularmente “cada um”. Alcançou você e eu. Cada crente recebe de Deus a graça espiritual para manter o ritmo normal que o corpo vivo (a Igreja) necessita, através dos elementos que ajudam a unidade da Igreja. A “cada um” Deus tem dado uma função para compor a unidade do corpo com os demais membros e para a edificação do Corpo de Cristo.
            Esta graça representa a capacitação espiritual dada por Deus a cada crente no sentido de contribuir para a unidade da Igreja. Não se trata de um único dom, mas de vários, a fim de que cada um execute sua função obedecendo à cabeça, a sua função deve ser exercida para não prejudicar a unidade espiritual da Igreja.
            “Segundo a proporção do dom de Cristo”. Isso significa que “cada um” recebe a “graça” segundo a sua capacitação para trabalhar com seu dom. Essa capacitação é, antes de tudo, trabalho do Espírito Santo. Se “cada crente” procurasse fazer o melhor na sua própria função, não haveria divisões, invejas, e nem hipocrisias na igreja. Esses males prejudicam a unidade da Igreja.
            Nos versículos 8-10 temos a razão da unidade do Espírito na igreja. “Subiu às alturas, levou cativo o cativeiro, e concedeu dons aos homens” (v. 8). Inicialmente, esse versículo proclama a vitória de Cristo no Calvário, dando-lhe o direito de ser Senhor pleno e capaz de dar dons àqueles que o recebem por Salvador e Senhor.
            A vitória de Cristo no Calvário significa ter o domínio sobre a morte e o inferno, significa que a morte tem poderes limitados, e pode apenas tocar no corpo do crente, pois sua alma e espírito são conduzidos à presença de Deus. O poder da morte eterna não atingirá o crente, mas apenas o ímpio. O inferno jamais terá poder sobre o crente em Cristo, porque quando o crente morre fisicamente, seu corpo desce à sepultura, mas sua alma e seu espírito sobem à presença de Deus. A morte do crente, depois da obra expiatória de Cristo, representa a vitória sobre o pecado, sobre a morte eterna (que é um estado consciente) e sobre o inferno. Na realidade, a morte física, para o crente, representa a sua conquista maior, isto é, o clímax da redenção!
            Temos aqui o cumprimento das Escrituras. Por isso, diz” são palavras que identificam o cumprimento de uma profecia citada pelo apóstolo (Sl 68.18,119; 2 Co 6.16). O Salmo 68 fala do triunfo de Deus, representado pela volta da arca da aliança ao seu santuário original após a derrota dos inimigos de Israel. Do mesmo modo, Jesus triunfou na batalha contra o reino do mal e, em virtude dessa vitória, recebeu dons para dar aos seus aliados. Por isso, esse salmo se aplica à vitória de Cristo no Calvário. Pela vitória de Cristo, Ele recebeu o poder de conceder dons à sua Igreja. Qual é o seu dom? Vou mencionar os dons que temos na Bíblia.
            Romanos 12 menciona os seguintes dons espirituais: Profecia (pregação), Serviço (ministério), Ensino (comunicação de princípios bíblicos), Exortação (estímulo à fé, encorajamento), Contribuição (doação, generosidade), Liderança (autoridade, governo, administração), Misericórdia (simpatia, consolo, bondade).
            I Coríntios 12 adiciona: Sabedoria (conselho sábio, palavra sábia), Conhecimento (falar com propriedade), Fé (crer na intervenção divina), Cura (sarar mágoas e doenças físicas), Milagres (realização de grandes feitos), Discernimento de espíritos (percepção espiritual) e Socorro.
            Efésios 4 adiciona: Evangelista (missionário, pregador do evangelho), Pastor (ministrar ao povo de Deus).
            Para que você viva de modo digno de sua vocação a que fostes chamado? Você precisa conhecer seus dons e habilidades para servir a Deus e a edificação de seu irmão em Cristo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário, pois, sua opinião é importante para nós.

Postar um comentário